quinta-feira, 2 de maio de 2013

Carta de despedida


Não me lembro da primeira vez. Nem quem foi que me apresentou. Mas me lembro da segunda, terceira, décima vez que fui feliz no Studio SP.
Quando decidi criar um blog com o objetivo de falar das coisas que me fazem gostar de São Paulo, já tinha um espaço em mente reservado só para Ele. Em caixa alta mesmo. Para muitos, é/era só mais uma balada. Para mim, teve uma importância maior.

Em um momento em que você tenta redefinir sua vida, descobrir realmente quem você é, do que você gosta, o que, de tudo que já te apresentaram, vai ficar... alguns lugares fazem a diferença. O Studio fez. Me trouxe um novo mundo musical, novas pessoas, uma nova área da cidade que até então eu não frequentava (a Augusta ainda terá um espaço neste blog reservado só pra ela). Mais que isso: muitos e muitos bons momentos.

Foi lá que ouvi Seu Chico até cansar com Flávia Elisa e Roberta Russo, conheci Miranda Kassin, Vanguart, Móveis Coloniais de Acajú, Del Rey. Também foi lá que surtei loucamente (todas as vezes) cantando as músicas do glorioso Tim, ao som de DizMaia, com Helô, Leu e tantos outros amigos que eu arrastava comigo.


Não sem antes parar no boteco da frente para esperar a casa abrir, comendo uma fogazza, tomando uma cerveja de garrafa e ouvindo o tiozinho hippie vendedor de bijus contar sua história de andarilho, pai de 5 filhos espalhados pelo Brasil. E levar de brinde um pingente feito na hora (ainda tenho).


Depois da balada, sair e comer o tradicional milho no pratinho do tiozão gente fina estrategicamente posicionado na porta fechava a noite com chave de ouro.

Sim, começou a ficar caro. Sim, a fila era imensa e já me fez dar meia-volta. Mas sim, eu era feliz todas as vezes.

E é com pesar que digo que, nesta quinta-feira, São Paulo perde mais uma vez. O dia em que o Studio SP abre suas portas pela última vez é, sem dúvida, um dia triste (mais triste é não ter conseguido ingressos para estar lá).

Mas como o objetivo do blog não é lamentar as coisas ruins que acontecem na cidade, fica esta carta de despedida, com um tom de alegria: as lembranças boas nós levamos com a gente. E o Studio SP sempre vai fazer parte da história de São Paulo, da Augusta, do Baixo Centro... da minha história!

2 comentários:

  1. maria teresa cruz2 de maio de 2013 10:11

    também fui muito feliz lá. As coisas passam para que novas cheguem! adorei!

    ResponderExcluir
  2. Fui muito feliz lá com você várias vezes, amiga!

    ResponderExcluir